Manaus, 17 de novembro de 2019

amigosParlamentares da Bancada do PT na Câmara estão se manifestando nas redes sociais sobre a suspensão das investigações que envolvem Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro. O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) divulgou nesta quinta-feira (17) nota em que informa sobre a suspensão do procedimento investigatório que apura movimentações financeiras atípicas de Queiroz.

A promotoria no Rio de Janeiro afirma que a decisão foi tomada até que o relator do caso no STF, ministro Marco Aurélio Mello, se pronuncie.

Entre as movimentações consideradas suspeitas pelo Coaf estão um cheque de R$ 24 mil de Queiroz à primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e pagamentos feitos ao ex-motorista por assessores e ex-assessores do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), afirmou em seu Twitter: “A notícia de que, a pedido de Flávio Bolsonaro, o STF determinou a suspensão da investigação sobre o laranjal do clã Bolsonaro é estarrecedora e revela que no Brasil existem dois pesos e duas medidas em alguns setores do Judiciário”.

Foto: Reprodução Twitter

Para a deputada Erika Kokay (DF), o mesmo STF que fez “a maior novela com a prisão em segunda instância para manter Lula como preso político, agora, decide, a pedido do clã Bolsonaro, suspender investigação contra Queiroz. Mais um episódio de fim do Estado de Direito, do grande acordo com ‘Supremo, com tudo’”.

Deputados e deputadas do PT se manifestam a respeito do assunto nas redes sociais:

Margarida Salomão (MG) – “O absurdo não tem fim. O ministro Luiz Fux deve explicações urgentes à sociedade. Não há qualquer plausibilidade na suspensão da investigação quanto ao esquema envolvendo Queiroz – ex-funcionário de Flávio Bolsonaro. Pior é o pedido partir do filho do presidente, o mesmo que vinha tentando de todas formas se descolar do caso. Oras, se Bolsonaro não tinha nada com os “rolos” de seu ex-funcionário, por que entrar na Justiça para paralisar a investigação? A verdade vem sendo massacrada no país, pisoteada por presepeiros empoderados e abandonada por quem deveria velar para justiça no Brasil. Isso é ridículo e ultrajante.”

Helder Salomão (ES) – “STF suspende investigações sobre movimentações atípicas de Queiroz. ‘Nova era’”.

Rubens Otoni (GO) – “Flávio Bolsonaro obteve uma liminar do STF para suspender as investigações sobre as movimentações atípicas envolvendo Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu gabinete. A decisão é do ministro Luiz Fux. O caso corre em sigilo.”

João Daniel (SE) – “Mais um passo do golpe. Como aceitar tal decisão?”

Assis Carvalho (PI) – “Tempos cada vez mais estranhos.”

Reginaldo Lopes (MG) – “Flávio Bolsonaro pede, e STF suspende investigação sobre Queiroz”. Será que os brasileiros e brasileiras vão sentir o sabor de uma pizza de laranja?”

Zeca Dirceu (PR) – “Com a decisão do STF de suspender a investigação sobre Queiroz. O que mais vem por aí?”

Luizianne Lins (CE) – “Um verdadeiro absurdo o STF suspender as investigações sobre as movimentações financeiras de Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Essa decisão envergonha toda a nação.”

Marco Maia (RS) – “A manipulação do judiciário é escandalosa!”

Décio Lima (SC) – “Com Supremo, com tudo…”

Zé Carlos (MA) –  “A pedido do deputado Flávio Bolsonaro, que terá foro privilegiado no próximo mês ao ser empossado como Senador, o ministro do STF, Luiz Fux, manda suspender investigações sobre a movimentação financeira de Queiroz, ex-assessor de Flávio. Para Flávio Bolsonaro ir até o STF e pedir para não investigarem Queiroz, é uma confissão de culpa, pois quem não deve não teme. Um novo Brasil, sem corrupção, sem impunidade! Essa é a nova política do novo presidente? Como acabar com a corrupção proibindo os órgãos de controle de fiscalizar? Agora entendo perfeitamente a sambadinha do Queiroz no hospital. Ele já deveria estar sabendo que a investigação contra ele seria abafada. É um absurdo tudo isso!”

Rogério Correia (MG), deputado eleito – “Está tudo dominado. A decisão do STF de paralisar as investigações sobre as movimentações financeiras de Fabrício Queiroz revela algo agora claríssimo. Só uma CPI no Congresso, formada de maneira independente, com parlamentares de todos os campos, será capaz de desvendar a maracutaia em que se meteu a família Bolsonaro. O fato de o pedido de suspensão das apurações ter partido do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) reforça a desconfiança de que a história envolvendo o ex-motorista Queiroz é muito maior. Provavelmente envolve dinheiro de milícias e empresas de ônibus. A certeza sobre isso só é possível pela investigação. Investigação que foi suspensa a pedido de Bolsonaro Jr. Por isso, desde o primeiro momento, defendi a #CPIdoQUEIROZ. A posição do STF, mais uma vez, revela que uma porção majoritária do Judiciário brasileiro tem lado. É algo que a população brasileira precisa estar atenta. E não aceitar. Aliás, cadê as panelas?

Célio Moura (TO), deputado eleito –  “Como já revelou Jucá “com o Supremo, com tudo…”

Gleisi Hoffmann (PR), deputada eleita – “Muito grave a notícia de que o Supremo suspendeu investigação sobre o caso Queiroz. Os pesos e medidas são muito diferentes. Para Lula, basta convicção, para os Bolsonaros nem documento público é considerado.”

Natália Bonavides (RN), deputada eleita – “Após Queiroz, esposa e filha faltarem ao depoimento no MP, Flávio Bolsonaro – que também não compareceu para depor – pede ao STF que a investigação de Queiroz seja suspensa. O que o STF faz? Vai e suspende.”

Alexandre Padilha (SP), deputado eleito – “Não ouço panelas.”

Professora Rosa Neide (MT), deputada eleita – “Tão rápido assim? Mas é aquele grande acordo nacional com o Supremo, com tudo.”

Marília Arraes (PE), deputada eleita – “Já????”

Alencar (SP), deputado eleito – “Será que o Supremo está com medo de ser fechado por um cabo e um soldado como disse Bolsonaro? Ou será mesmo que precisa ser fechado? Dá vontade de mandar é para aquele lugar.”

PT na Câmara

TwitterGoogle+FacebookCompartilhar
Manaus,  17 de jan de 2019 Deixe seu comentário

Deixe seu comentário


(Obrigatório)